Madeleine? Isabella?

27ago08

O assunto que ocupa o noticiário na televisão e nos jornais israelenses e franceses esta semana é o desaparecimento da garotinha Rose, que está sendo chamada na imprensa britânica de “a Madeleine McCann de Israel”, aqui, aqui, aqui e aqui. Para a imprensa brasileira, ela é a Isabella Nardoni daqui.

Cada um com seus dramas.

De fato, os três casos não poderiam ser mais parecidos. Famílias desequilibradas, pais suspeitos. A garotinha israelense, nascida em Paris, continua desaparecida, como a inglesa. E a história dela é o drama do momento em um país que tem visto mais e mais casos de violência do lado de dentro da porta de casa.

Aos fatos: a garota, de 4 anos, foi morta pelo próprio avô, um sujeito de 44 anos que tem ficha suja na polícia e, agora, na imprensa sensacionalista de Israel. Ele mesmo confessou: “Rose se comportou mal quando estava no carro e eu dei-lhe um tapa. Veio um silêncio e quando olhei para trás ela estava morta”.

Frio, contou para a polícia:

Então a coloquei em uma mala vermelha e joguei no rio HaYarkon.

A mala vermelha ainda não foi encontrada. O corpo da menina, também não. O HaYarkon, no norte de Tel Aviv, corre lentamente, carregando lama e muita sujeira, na direção do mar Mediterrâneo. Mala e corpo podem estar perdidos na imensidão azul… Hoje a polícia anunciou que cogita drenar um trecho extenso do rio para tentar encontrar o corpo.

Por enquanto, mergulhadores da marítima israelense têm feito uma busca sem sucesso pelo rio – acharam hoje uma moto e um cofre… Hoje de manhã, a caminho do trabalho, reparei nos mergulhadores quando atravessei, de moto, uma das pontes que cruza o rio. E um sujeito, na moto ao lado, comentou do caso. Agora, só se fala da menina Rose.

E ecoa por aqui a voz da avó dela, que vive em Paris, perguntando aos prantos: “Por quê machucar a minha neta? Por quê?”

E as buscas continuam.

Update, 29/8: Mulher afoga o filho em praia de Bat Yam porque ele era “um peso”, aqui.



3 Responses to “Madeleine? Isabella?”

  1. 1 Carlos

    Em meio a tanto sofrimento, (nenhuma criança feliz tem esse olhar doentio) a morte vem como descanso.

  2. Ai, Ga
    Quanta tristeza.
    Queria que meus filhos vivessem no mundo dos meus sonhos.


  1. 1 O triste fim de Rose « CARTEIRO SEM POETA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: